Blog da Pietra

Meu blog oficial de contos erĂ³ticos brasileiros maravilhosos.

O melhor conto erotico

- Você vai a correr como? – Perguntou o homem a Ernesto que assentiu sem fôlego para falar – Vende aqui onde seu amigo e fazê-lo de dentro, sem medo – disse fazendo-me para o lado para que Ernesto ocupase meu lugar.

 

Entre as pernas dela, voltou a surgir a sua mão para pegar a de Ernesto e colocá-la bem. Meu amigo a penetrou de uma só vez, follándola, sem se mexer muito, até que ao minuto foi entrando uma série de espasmos com os que estava gozando na buceta daquela mulher. Todos não perdemos olho do momento, olhando para o nosso colega sofrendo o orgasmo com a face contraída menos a boca que estava aberta. Tinham-Nos falado já do preservativo, das DST e aids, e outros, mas na minha opinião a idade não nos deixava pensar em nada disso e agora que sabia que podia cum dentro daquele buceta aguardava ansioso para que Ernesto se desviasse para voltar com o que havia deixado. E assim o fiz, quando meu amigo tirou seu pau com um som pringoso, mesmo com um pouco de porra na ponta, me posicionei atrás dela e a penetré sem ajuda. Talvez por a porra de Ernesto, ou o que se havia excitado no mesmo tempo, a vagina da menina estava muito mais úmida, mais escorregadia, e até mesmo mais quente. Bombeando ainda mais rápido do que quando tinha estado antes, meus quadris começaram a fazer barulho ao bater em sua bunda, ganándome as olhadas furtivas de meus amigos. Eu tinha colocado infinitamente mais excitado com aquela pausa e, tendo retornado com tanta vontade já senti que não me ficava muito por cum, e ao igual que com Ernesto minha respiração ia a toda a máquina.

 

Sem saber por que exatamente nós podíamos corrernos dentro sem medo, se é que tomava anticoncepcional, ou o quê, eu naquele momento, a ponto de cum, tivesse continuado ainda que tivesse me dito que aquele homem que poderia deixar grávida, e em toda a minha ignorância, pasotismo e libido (Que em um rapaz de quinze em sua primeira vez é muita) a penetré tão forte quanto me permitiam as pernas antes de estourar naquele buceta incrível. O alarido que bati foi monumental, notando como o corpo se aquecia de enorme prazer e como o pau-me sacudia contra as paredes da vagina, aumentando a recente corrida de meu amigo e a minha própria que estariam misturando no fundo da boceta.

 

-Eu também vou cum agora mesmo – Disse Raúl vindo para o meu lado, sem parar de bater uma punheta.

 

A tirei, toda molhada, e eu coloquei de um lado para deixá-lo agora a Raul levá-la. Apenas em cinco segundo já se encontrava penetrá-la rapidamente, muito rapidamente, de joelho, com um pé apoiado com o pé com a outra. Seus ovos se batia como um saco cheio de pedras, fazendo barulho ao se chocar entre as pernas da mulher. Enquanto Dani não tirava o olho de como é a chupaban, Ernesto e eu nos vagueávamos ao redor ainda empalmados e nós tínhamos posto a masturbarnos outra vez.

 

-Eu... coo...rro,... já – Suspiro com a voz rouca Raúl, que mergulha para a frente, já significando embora sem deixar de se mover até que já lhe doía.

 

- O remove, rápido! – Pediu Dani, rodeando depressa a mulher para ficar de pé atrás, onde fez um lado para o Raul e foi a penetrar.

 

Com apenas a ponta dobrada, a Dani bateu até empurrá-lo para a frente. Repetindo a operação, voltou a balançar e ele começou a contrair-se. Seus suspiros se intensificaram primeiro e foram descendo depois. Ao retirar-se o seu pau estava cheia de fluidos dela, mas também do nosso sêmen, o qual surgiu por sua buceta e deslizou por entre suas coxas-se de joelhos. Dani deixou-se cair de bunda no chão, onde foi recuperando o fôlego junto a Raul. O homem foi a curvar-se em frente à sua esposa que a pegou pelo queixo para que a levantasse para ele e que ele possa beijar. Suas línguas asomaban entre seus lábios, sacudindo suas salivas e, de certa forma, isso nos deixava muito estando ao lado deles, como se nada. Ernesto e eu aumentamos nossas palhas, sem deixar de olhá-los. Daniel e Raúl nos olhava do chão, ainda empalmados, e se uniram com o de bater uma punheta, pouco a pouco.

 

-Estas a se encheram bem Né? – Disse ele a ela, referindo-se à mistura de nossas esperma que não deixava de sair lentamente por sua buceta. Ela simplesmente olhou para ela sem responder.

 

O homem a levou para colocá-la deitada de barriga para cima no chão e depois se deitou em cima dela e pegou o pau para penetrarla. Era incrível o obediente, que se mostrava a menina que se arqueou para cima ao sentir que a penetravam com aquele membro que era muito maior e mais peludo do que os nossos. Esticando os braços, a mulher pegou os paus que tinha mais perto a cada lado que era a de Raul e a minha. Nos aproximamos, sentándonos de joelhos, para que lhe fosse mais fácil masturbarnos. Pensar por perto, ela abriu a boca, com a língua para fora, em um gesto a Ernesto para que a metiese na boca e meu amigo não perdeu ocasião, inclinando para baixo seu pênis e hundiéndosela entre seus lábios que se a saborearon com grande gosto.

Mantendo uma boa coordenação, Raul e eu éramos pajeados com força e rapidez. Sabia que se continuasse assim, sem que pudesse controlar eu o movimento, eu acabaria correndo mais rápido do que antes. Em frente de mim, do outro lado a mulher e o homem que o nome vem agarrada pelos quadris, Raúl se eu avanço e entre os dedos da mulher se correu agitado.

 

O sêmen foi caindo em parte do lado e os seios. O homem ficou olhando como se eu ia correndo Raúl sem parar de foder e foi gustarse aquilo por que sorriu para este satisfeito. Poucos segundos depois ouvimos Ernesto enfiando seu pau, sem torná-la a tirar a boca da menina e sua face contraída foi um aviso claro de que estava correndo, mas quase ao mesmo tempo que ele, também eu me pus a cum sobre a garota sem que ela parasse de pajearme até o final. Com a cabeça meio ida, senti a Dani cair de joelhos ao meu lado que tinha estado pajeando o tempo todo e agora se dispunha a gozar onde Raul e eu tínhamos feito. Um salpicazo de sêmen, bem abundante para ser a segunda gozada, porém calou-se entre os seios da mulher. Entre os três tínhamos vez perdida a menina, que estava ofegante, mais do que nunca, como se o sentir seu corpo um pouco de nosso sêmen a teria colocado muito tesão.

 

-Ah... Ah!É ... Aaah!É ... Aaah!... – Estava ofegante cada vez mais alto o homem que se havia posto a penetrarla tão forte que o sêmen sobre a menina ia deslizando pela lateral – Me corrooo... ¡¡Aaaaah!!

 

 

xvideos

Fatal model

Hentai

Incesto

Pornhub

Novinhas

redtube

Samba porno

Videos porno

XXX

spankbang

boa foda

beeg

chaturbate

fotos amadoras

xvidios

videos sexo

xhamster

whatsapp

tube8

 

 

A bastante distância teve de ouvir o homem gemer, isto é, sem ritmo da menina quando já deveria estar gozando dentro. Permaneceu parado, com o pau ainda dentro, durante um tempo. Nós mirábamos atentos embora nenhum conservava ereção alguém, talvez um pouco Raúl. Tema o homem lentamente e pôs-se em pé. Os outros levantamo-nos e ajudamos a mulher a levantar também. Llegándole pelo menos até passada a metade da face interna da coxa, um fio de porra começou a cair pouco tempo depois de ficar em pé. O sêmen do ombro identifica-se claramente do nosso, que era buco menos esbranquiçado e espesso. Tomando ela a sua bolsa, que estava caído ao lado de uma árvore, junto com toda a roupa de ambos, tirou um pacote de pañuelitos por começar a tomar pelo menos três limpou a virilha. Em seguida, levou outro e foi um por um, limpando útil nossos paus já flácidas. Quando acabou, ele a limpou o homem que o beijo. Enquanto isso, nós subimos e fechamos as calças, mais calmos e felizes do que nunca. Estávamos por ir já, deixando-os lá os dois se beijando, mas ao ver-nos, ele nos chamou.

 

- O vós! Se alguma vez nos converterdes a encontrar e quiser repetir já sabeis – disse sem se separar dela.

 

Todos asentimos com a cabeça gratos antes de continuar assim. Quando saímos do bosque, derechitos para a saída do parque, estallamos a comentar o ocorrido. Foi uma pena, mas sempre voltamos a nos encontrar com aquela casal e não foi por tentativas. Embora nos vinhos bem por que os dias cada um foi reclamando de ardência em nossas partes seguindo o provérbio, supunha-se. Em FIM....

 

Relato editado e publicado por Pedivertido

 

Embora nos pillase um pouco longe de casa, costumava ir com meus amigos para um parque muito grande que tinha atravessando o rio, onde já deixava de existir cidade e começava a ter campo e da floresta. Éramos quatro os que nos ficaríamos juntos, Ernesto alto, Ronaldo o gordo (Embora, na verdade, estava rellenito anythin mais), Dani moreno e, finalmente, eu mesmo. Todos nós, entre os catorze e os quinces e mais virgens que o óleo de oliva. Para um pequeno grupo de colegas tão inseparáveis que sexo era algo que entre nós estava na ordem do dia, tanto que até nos pajeábamos todos em grupo, mas cada um com a sua, que conste.